Energy Trekker

Bem-vindo à plataforma de comunicação da Image4All

Categorias

A democratização das renováveis

Entre Janeiro e Dezembro de 2022 foram gerados 44 059 GWh de electricidade em Portugal Continental, dos quais 56,9 % tiveram origem renovável. A energia eólica é a grande responsável pelos bons números do nosso país, representado 27% do consumo nacional. Já a energia hidroeléctrica abasteceu 17%, a biomassa 5,5% e a fotovoltaica 2,1%. Mas é nesta última
que vamos concentrar a atenção. Desde 2013 e até ao final de Julho de 2022, a energia solar fotovoltaica registou o crescimento mais rápido das energias renováveis em Portugal. No primeiro semestre do ano passado, Portugal adicionou
546 MW de capacidade solar fotovoltaica. Embora o país tenha levado quatro anos para passar de 500 MW para 1 GW, o
ritmo de implantação da energia solar fotovoltaica acelerou nos últimos anos, tendo levado apenas dois anos para dobrar a capacidade instalada para 2 GW.

A conjuntura actual, com a alta dos preços da energia a que se junta a pressão, cada vez maior, está a acelerar o investimento da indústria e a aposta dos consumidores, muito embora ainda exista um caminho longo a percorrer.

É neste dinâmico mercado que actua a Image4ALL. Liderada por João Loureiro, a empresa que se dedica ao diagnóstico desenvolvimento e implementação de soluções de energia, arrancou em 2016 com a atenção centrada nas renováveis. Seis anos volvidos, a empresa entra em 2023 com perspectivas de forte crescimento. “2022 foi um ano importante para Image4ALL não só porque a nossa actividade cresceu, mas também porque a sociedade foi reforçada com a entrada de novos sócios que vêm dar mais robustez técnica e financeira à empresa”, sublinha o CEO da Image4ALL. No final de 2022 a empresa, em consórcio com a Mota-Engil Ativ, ganhou a empreitada de concepção/construção de duas unidades de produção de energia de fonte fotoeléctrica para autoconsumo da captação de Valada-Tejo e da ETA de Vale da Pedra, dois projectos que integram o “EPAL 0%”, o programa de neutralidade energética lançado pelo empresa pública recentemente. O contrato,
no valor de 1,947 milhões de euros, tem um prazo de execução de um ano e inclui a concepção e elaboração do projecto de execução das unidades de produção para autoconsumo (UPAC) e a realização da empreitada, construção de infraestruturas, construção civil e estruturas, instalações mecânicas e eléctricas e instalação e colocação em serviço das UPAC, uma empreitada, na qual a Imga4ALL detém 30%. “Este contrato representa um desafio muito grande porque é um contracto
de concepção construção, quer isto dizer que o projecto é da nossa responsabilidade e é um exemplo de projecto no qual eu
revejo o futuro da empresa”, sublinha João Lourenço.

Da consultoria, às empreitadas sempre com foco nas renováveis
A empresa posiciona a sua actividade em três áreas distintas, sendo a primeira na vertente de consultoria, na consultoria
energética, de certificação e das candidaturas aos programas de apoio públicos lançados recentemente (Fundo Ambiental, PRR e Portugal 2030, por exemplo). A segunda das três áreas de actividade da empresa é a “área industrial da empresa” de execução de empreitadas, “todas elas ligadas às matérias de eficiência energética e aqui estamos a falar maioritariamente de sistemas fotovoltaicos, mas também de climatização e aquecimento de águas sanitárias iluminação”, explica João Loureiro. Outro foco, é na capacidade de engenharia interna já que a empresa também executa empreitadas, suportadas por sub-empreitadas, onde toda a gestão, desde contractual ao aprovisionamento, são assegurados pela Image4ALL. “Este é o
modelo que consideramos mais sustentável e que nos permite crescer, mas não dar um passo maior que a perna”, sustenta o
seu responsável. Entre a carteira pública e a carteira privada a empresário estima para 2023 projectos na ordem dos 1,2 milhões de euros. Mas este número pode muito bem crescer, já que o ano começa com 60% da carteira de obras prevista para 2023 já contratualizada.

A terceira vertente é a de instalação, operação e manutenção de postos de carregamento. Actualmente são 14, mas a intenção é crescer, de forma que esta vertente venha a ganhar peso no volume de negócios da empresa.

In Construir

17.01.2023